.

HOME

ASTRONOMIA

 › História
 › Pesquisa Espacial
 › Satélites Artificiais
 › Telescópios
 › Dados

SISTEMA SOLAR

 › Sol
 › Mercúrio
 › Vênus
 › Terra
 › Marte
 › Júpiter
 › Saturno
 › Urano
 › Netuno
 › Planetoides

UNIVERSO

 › Asteroides
 › Cometas
 › Constelações
 › Estrelas
 › Via Láctea
 › Galáxias
 › Cosmos

ESPECIAIS

 › Catálogo Messier
 › Buracos Negros
 › Eclipses
 › Exoplanetas
 › Projeto SETI
 › Vida Extraterrestre

DIVERSOS

 › Últimas Notícias
 › Efemérides
 › O Céu este Mês
 › Dicionário
 › Fotos
 › Downloads
 › Links
 › Livros e Referências

CONTATO


 
 
 
 
 
O GIGANTE JÚPITER

Júpiter é o quinto planeta mais próximo do Sol e é o maior no sistema solar. Se Júpiter fosse oco, caberiam mais de mil Terras no seu interior. Contém também mais matéria do que todos os outros planetas juntos. Tem uma massa de 1.9 x 1027 kg e um diâmetro de 142.800 quilômetros no equador. Dentre os satélites de Júpiter, quatro deles - Calisto, Europa, Ganimedes e Io - foram observados por Galileu já em 1610. Tem um sistema de anéis, que é muito tênue e totalmente invisível visto da Terra. (Os anéis foram descobertos em 1979 pela Voyager 1.) A atmosfera é muito profunda, talvez compreendendo todo o planeta, e tem algumas semelhanças com a do Sol. É composta principalmente de hidrogênio e hélio, com pequenas porções de metano, amônia, vapor de água e outros componentes. Em Júpiter, a pressão é tão elevada que os átomos de hidrogênio estão quebrados e os elétrons estão livres, de tal modo que os átomos resultantes consistem de simples prótons. Isto produz um estado em que o hidrogênio se torna metálico.

Faixas coloridas latitudinais, nuvens atmosféricas e tempestades ilustram o dinâmico sistema meteorológico de Júpiter. O padrão das nuvens mudam de hora para hora, ou de dia para dia. A Grande Mancha Vermelha é uma tempestade complexa que se move em direção anti-horária. Na borda, a matéria parece rodar em quatro a seis dias; perto do centro, o movimento é menor e numa direção quase aleatória. Podem-se descobrir cadeias de outras tempestades menores e redemoinhos pelas diversas faixas de nuvens.

Foram observadas emissões aurorais, semelhantes às auroras boreais da Terra, nas regiões polares de Júpiter. As emissões aurorais parecem estar relacionadas a matéria de Io que cai na atmosfera de Júpiter, movendo-se em espiral segundo as linhas do campo magnético. Também foram observados relâmpagos luminosos acima das nuvens, semelhantes aos super-relâmpagos na alta atmosfera da Terra.

O anel de Júpiter

Ao contrário dos intrincados e complexos padrões de anéis de Saturno, Júpiter tem um simples anel que é quase uniforme na sua estrutura. É provavelmente composto por partículas de poeira com menos de 10 mícrons de diâmetro. O limite exterior chega até 129.000 quilômetros do centro do planeta e o limite interior está a cerca de 30.000 quilômetros. A origem do anel é provavelmente o bombardeamento de micrometeoritos das pequenas luas que orbitam dentro do anel.

Estatísticas de Júpiter
 Massa (kg) 1,898,7x1027 
 Diâmetro equatorial (km) 142.984
 Densidade média (gm/cm3) 1,33
 Distância média ao Sol (km) 778.412.010
 Período de rotação (dias) 0.41354 
 Período de revolução (anos) 11,862615
 Velocidade orbital média (km/seg) 13,0697 
 Excentricidade orbital 0,04839266 
 Inclinação do eixo (graus) 3,12 
 Inclinação orbital (graus) 1,3053 
 Gravidade na superfície no equador (m/seg2) 23,12 
 Velocidade de escape no equador (km/seg) 59,54 
 Albedo geométrico visual 0,52 
 Magnitude (Vo) -2.70 
 Temperatura média das nuvens 165 K 
 Temperatura média na superfície 288-293 K
 Pressão atmosférica (bars) 0,7 

IMAGENS DE JÚPITER

Júpiter
Esta imagem foi obtida pelo Telescópio Espacial Hubble, da NASA, em 13 de Fevereiro de 1995. A imagem mostra detalhes de um aglomerado único de três tempestades brancas de forma oval a sudoeste da Grande Mancha Vermelha de Júpiter. As duas tempestades de fora formaram-se no final da década de 1930.

Júpiter com os Satélites Io e Europa
A sonda Voyager 1 obteve esta fotografia de Júpiter e dois dos seus satélites (Io, à esquerda, e Europa, à direita) em 13 de Fevereiro de 1979. Nesta imagem, Io está cerca de 350.000 quilômetros acima da Grande Mancha Vermelha de Júpiter, enquanto Europa está cerca de 600.000 quilômetros acima das nuvens de Júpiter. Júpiter estava a cerca de 20 milhões de quilômetros da sonda no momento desta foto.

A Grande Mancha Vermelha
Esta imagem da Grande Mancha Vermelha de Júpiter foi obtida pela Voyager 1 em 25 de Fevereiro de 1979, quando a sonda estava a 9,2 milhões de quilômetros de Júpiter. Consegue-se ver detalhes de nuvens com um diâmetro de 160 quilômetros. 

A Mancha Vermelha pela Galileu
Esta imagem é um mosaico de duas imagens obtidas pela sonda Galileu. A Grande Mancha Vermelha é uma tempestade na atmosfera de Júpiter e existe há pelo menos 300 anos. O vento sopra na direção anti-horária por volta de 400 quilômetros por hora. A dimensão da tempestade é maior do que o diâmetro da Terra (13.000 quilômetros). A imagem foi obtida em 26 de Junho de 1996.

O Anel de Júpiter
O anel de Júpiter foi descoberto pela Voyager 1 em Março de 1979. Esta imagem foi obtida pela Voyager 2. O anel Joviano tem cerca de 6.500 quilômetros de largura e provavelmente menos de 10 quilômetros de espessura.

As Luas de Júpiter
Esta imagem mostra as luas de Júpiter Amaltea, Io, Europa, Ganimedes e Callisto.


 


Resumo das luas de Júpiter

Há cerca de quatro séculos Galileu Galilei virou o seu telescópio, feito em casa, para os céus e descobriu três pontos luminosos, que primeiro pensou serem estrelas, ligados ao planeta Júpiter. Estas estrelas estava alinhadas com Júpiter. Despertando o seu interesse, Galileu observou as estrelas e descobriu que elas se moviam na direção errada. Quatro dias mais tarde apareceu outra estrela. Depois de observar as estrelas durante as semanas seguintes, Galileu concluiu que não eram estrelas mas corpos planetários em órbita à volta de Júpiter. Estas quatro estrelas passaram a ser conhecidas por Satélites Galileanos.

As luas de Júpiter são relativamente pequenas e parecem mais ter sido capturadas do que formadas em órbita à volta de Júpiter. As quatro maiores luas galileanas, Io, Europa, Ganimedes e Callisto, parecem ter sido formadas por agregação como parte do processo de formação do próprio planeta.

Satélites (63)

Distância de Júpiter (km)

Diâmetro (km)

Período orbital (dias)

Inclinação (graus)

Excentricidade

Metis 128.100 44 0,30 0,021 0,001
Adrastea 128.900 16 0,30 0,027 0,002
Amalthea 181.400 168 0,50 0,389 0,003
Thebe 221.900 98 0,68 1,070 0,015
Io 421.800 3.643 1,77 0,036 0,004
Europa 671.100 3.122 3,55 0,467 0,009
Ganymede 1.070.400 5.262 7,16 0,172 0,002
Callisto 1.882.700 4.821 16,69 0,307 0,007

Themisto

7.507.000 9 130,0 43,08 0,242

Leda

11.165.000 18 240,9 27,46 0,164
Himalia 11.461.000 184 250,6 27,50 0,162
Lysithea 11.717.000 38 259,2 28,30 0,112
Elara 11.741.000 78 259,6 26,63 0,217
S/2000 J11 12.555.000 4 287,0 28,30 0,248

Iocaste

21.269.000 5 631,5 149,40 0,216
Praxidike 21.147.000 7 625,3 149,00 0,230
Harpalyke 21.105.000 4 623,3 148,60 0,226
Ananke 21.276.000 28 610,5 148,90 0,244
Isonoe 23.217.000 4 725,5 165,20 0,246

Erinome

23.279.000 3 728,3 164,90 0,266
Taygete 23.360.000 5 732,2 165,20 0,252
Chaldene 23.179.000 4 723,8 165,20 0,251
Carme 23.404.000 46 702,3 164,90 0,253
Pasiphae 23.624.000 58 708,0 151,40 0,409

S/2002 J1

22.931.000 3 723,9 165,00 0,259

Kalyke

23.583.000 5 743,0 165,20 0,245

Megaclite

23.806.000 6 752,8 152,80 0,421
Sinope 23.939.000 38 724,5 158,10 0,250
Callirrhoe 24.102.000 7 758,8 147,10 0,283

Euporie

19.302.000 2 550,7 145,80 0,144

Kale

23.217.000 2 729,5 165,00 0,260

Orthosie

20.721.000 2 622,6 145,90 0,281

Thyone

20.940.000 4 627,3 148,50 0,229

Euanthe

20.799.000 3 620,6 148,90 0,232

Hermippe

21.131.000 4 633,9 150,70 0,210

Pasithee

23.096.000 2 719,5 165,10 0,267

Eurydome

22.865.000 3 717,3 150,30 0,276

Aitne

23.231.000 3 730,2 165,10 0,264

Sponde

23.487.000 2 748,3 151,00 0,312

Autonoe

23.039.000 4 762,7 152,90 0,334
S/2003 J1 24.557.295 4 781,6 163,40 0,345
S/2003 J2 28.570.410 2 982,5 151,80 0,380
S/2003 J3 18.339.885 2 504,0 143,70 0,241
S/2003 J4 23.257.920 2 723,2 144,90 0,204
S/2003 J5 24.084.180 4 759,7 165,00 0,210
S/2003 J6 20.979.105 4 617,3 156,10 0,157
S/2003 J7 23.807.655 4 748,8 159,40 0,405
S/2003 J8 24.514.095 3 781,6 152,60 0,264
S/2003 J9 22.441.680 1 683,0 164,50 0,269
S/2003 J10 24.249.600 2 767,0 164,10 0,214
S/2003 J11 22.395.390 2 683,0 163,90 0,223
S/2003 J12 19.002.480 1 533,3 145,80 0,376
S/2003 J13 24.000.000 2 737,8 141,00 0,412
S/2003 J14 25.000.000 2 807,8 140,90 0,222
S/2003 J15 22.000.000 2 668,4 140,80 0,110
S/2003 J16 21.000.000 2 595,4 148,60 0,270
S/2003 J17 22.000.000 2 690,3 163,70 0,190
S/2003 J18 20.700.000 2 606,3 146,50 0,119
S/2003 J19 22.800.000 2 701,3 162,90 0,334
S/2003 J20 17.100.000 3 456,5 55,10 0,295
S/2003 J21 20.600.000 2 599,0 148,00 0,208
S/2003 J22 20.700.000 2 601,0 151,10 0,233
S/2003 J23 24.055.500 2 759,7 149,20 0,309
 
 
Astromador - Astronomia para Amadores