.

HOME

ASTRONOMIA

 › História
 › Pesquisa Espacial
 › Satélites Artificiais
 › Telescópios
 › Dados

SISTEMA SOLAR

 › Sol
 › Mercúrio
 › Vênus
 › Terra
 › Marte
 › Júpiter
 › Saturno
 › Urano
 › Netuno
 › Planetoides

UNIVERSO

 › Asteroides
 › Cometas
 › Constelações
 › Estrelas
 › Via Láctea
 › Galáxias
 › Cosmos

ESPECIAIS

 › Catálogo Messier
 › Buracos Negros
 › Eclipses
 › Exoplanetas
 › Projeto SETI
 › Vida Extraterrestre

DIVERSOS

 › Últimas Notícias
 › Efemérides
 › O Céu este Mês
 › Dicionário
 › Fotos
 › Downloads
 › Links
 › Livros e Referências

CONTATO


 
 
 
 
 
COMETAS

Cometas são corpos pequenos, frágeis e irregulares, compostos de uma mistura de grãos não voláteis e gases congelados. Eles têm órbitas altamente elípticas, que os trazem para muito perto do Sol e os jogam profundamente no espaço, frequentemente para além da órbita de Plutão.

Estruturas de cometas são diversas e muito dinâmicas, mas todos desenvolvem uma nuvem circunvizinha de material difuso, chamado coma, que normalmente cresce em tamanho e brilho conforme o cometa aproxima-se do Sol. Normalmente um núcleo pequeno, luminoso (menos de 10 km em diâmetro) é visível no meio do coma. O coma e o núcleo constituem, juntos, a cabeça do cometa.

Conforme os cometas aproximam-se do Sol, eles desenvolvem caudas enormes de material luminoso que estende-se a milhões de quilômetros da cabeça, para longe do Sol. Quando distante do Sol, o núcleo está muito frio e seu material está sólido, congelado dentro do núcleo. Neste estado, cometas às vezes são chamados de "icebergs sujos" ou "bola de neve suja", uma vez que mais da metade do material deles é gelo. Quando um cometa aproxima-se a de algumas UA do Sol, a superfície do núcleo começa a esquentar, e as substâncias voláteis evaporam. As moléculas evaporadas fervem e carregam pequenas partículas sólidas com elas, formando o coma do cometa com gás e pó.

Quando o núcleo está congelado, ele só pode ser visto através de luz solar refletida. Porém, quando um coma desenvolve-se, o pó reflete ainda mais luz solar, e o gás no coma absorve radiação ultravioleta e começa a apresentar fluorescência. A aproximadamente 5 A do Sol, a fluorescência normalmente se torna mais intensa que luz refletida.

Conforme o cometa absorve luz ultravioleta, processos químicos liberam hidrogênio, que escapa da gravidade do cometa e forma um envelope de hidrogênio. Este envelope não pode ser visto da Terra porque sua luz é absorvida por nossa atmosfera, mas tem sido detectados através de espaçonaves.

A pressão da radiação e do vento solar aceleram materiais para longe da cabeça do cometa, a diferentes velocidades, conforme o tamanho e massa dos materiais. Assim, as partículas de pó relativamente massivas da cauda são aceleradas lentamente e tendem a encurvarem-se. A cauda de íons é muito menos volumosa, e é acelerada tão grandemente que aparece como uma linha quase reta que estende para longe do cometa, em oposto ao Sol.

Cada vez que um cometa visita o Sol, perde alguma parte de seus materiais voláteis. Eventualmente, ele torna-se outra massa rochosa no sistema solar. Por isto se diz que os cometas tem vida curta, na escala de tempo cosmológico. Muitos cientistas acreditam que alguns asteroides são núcleos de cometas extintos; cometas que perderam todo o seu material volátil.

IMAGENS DE COMETAS

Cometa Kohoutek
Esta foto do cometa Kohoutek foi tirada pela equipe fotográfica do laboratório lunar e planetário da Universidade do Arizona. Eles fotografaram o cometa do observatório de Catalina, com uma máquina fotográfica de 35mm, em 11 de janeiro de 1974.

Cometa Hyakutake
Estas imagens do Telescópio Espacial Hubble  foram tiradas em 25 de março de 1996, quando o cometa passou a uma distância de 9,3 milhões de milhas da Terra. Estas imagens enfocam uma região muito pequena, perto do coração do cometa: o núcleo glacial, sólido; e fornece uma visão excepcionalmente clara da região próxima ao núcleo do cometa.

Cometa 1993a Mueller
Esta é uma imagem CCD do cometa 1993a Mueller, tirada em 6 de outubro de 1993 com um telescópio de 288mm f/5.2 Schmidt-Cassegrain.

Cometa West (1975)
Esta fotografia é do astrônomo amador John Loborde, em 9 de março de 1976. Esta foto mostra duas caudas distintas. A cauda fina de plasma azul é composta de gases, e a cauda branca larga é composta de partículas de pó microscópicas.

 


Cometa Hale-Bopp
Estas fotos do Telescópio Espacial Hubble, são do cometa Hale-Bopp e mostram uma notável formação em "cata-vento" e de detritos próximo do núcleo. A aglomeração brilhante ao longo da espiral pode ser um pedaço da crosta gelada do cometa que foi lançada ao espaço por uma combinação de evaporação de gelo e a rotação do cometa, e que desintegrou-se em uma nuvem luminosa de partículas.


 
Astromador - Astronomia para Amadores